Rogério H. Leite Responde

Canal de interação. Envie suas dúvidas ao médium Rogério H. Leite:

P- Como você vê o movimento espírita atual?

R- Não vejo com o otimismo e com as expectativas que gostaria.
Muito elitismo, hipocrisia, inveja, mentiras, eluções, falsidade traições, estrelismo.
É preciso compreender que movimento espírita não é espiritismo.
Espiritismo é a revelação dos espíritos superiores codificadas por Alan kardec.
Movimento espírita  é o que os homens estão fazendo dele.
Para o espírita neófito e alienado sempre estará tudo certo.
Fala-se em transição planetária, Planeta chupão,  Senhores da sombra, enfim todo tipo de besteiras que nos distanciam do Evangelho de Jesu e do povo que apenas deseja por acolhimento.
Livros que não acrescentam nada e que sequer uma mensagem otimista externam.
Romances água com açúcar, outros novela das oito enfim,,,
Pseudomédiuns falando bonito e macio ocultando a realidade de si próprios.
Dirigentes de casas espíritas se vendendo por causa da presença de pseudo médiuns, que lhes garantam a renda na cantina, ainda que os mesmos carreguem consigo interesses escusos.
Federações que não acrescentam nada, cobrando alto preço por seminários os quais o povo não tem condições de pagar para participar.
Enfim, muito a ser revisto.
Recordo de uma indagação de Kardec aos espíritos da codificação:
-Porquê na Terra o mal parece prevalescer o bem?
-Porque os bons são tímidos.
No caso do espírita de hoje, tímido, alienados e acordeirados demais para se expressarem com relação ao que aí está.
Há pouco desmarquei uma sessão no Rio de janeiro que seria realizada no início de dezembro em virtude dos organizadores demonstrarem simpatia por um pseudomédium, de fala mansa e feliz, talvez um bobo da corte...
Falsidade não é comigo.
Enfim isto é Brasil, adoramos sermos enganados e se pudermos pagamos por isso!

P- È possível receber uma mensagem  de um ente querido por email?

R- Em verdade quem traz o ente querido até o médium é o coração saudoso.

Um intercâmbio desta natureza requer uma sintonia satisfatória entre o espírito comunicante e o médium que sob as bençãos de Jesus se esforçará para captar os pensamentos e as emoções do espírito.

Portanto a recepção de um contato de um ente querido sem a presença de seus familiares torna-se inviável ou mesmo impossível.

 

  P- Com quanto tempo de desencarnado pode se tentar um contato com o ente querido?

R- Allan Kardec teve a oportunidade de indagar o mesmo aos espíritos responsáveis pela codificação.

Estes responderam: — Pode-se evocá-lo no próprio instante da morte, mas como então ele ainda se encontra em perturbação,só imperfeitamente pode responder.

Observação de Kardec: Sendo muito variável a duração da perturbação, não se pode fixar um prazo para a evocação. Não obstante, é raro que o Espírito, depois de oito dias, não esteja suficientemente cônscio do seu estado para poder responder. Às vezes pode fazê-lo muito bem, dois ou três dias após a morte. É possível, em todos os casos, experimentar de maneira prudente.

Observação de Rogério H. Leite: Para um intercâmbio espiritual faz-se necessário uma sintonia satisfatória entre médium e espírito comunicante, o que nem sempre ocorre nas primeiras tentativas. A questão do tempo está condicionada as condições do espírito; a sua disponibilidade em vir ter com os médiuns na sessão de Psicografia; a sua harmonia interior; o grau de interesse em atender a solicitação de seus familiares, e a necessidade do intercâmbio espiritual.

 

  P- O espírito de uma criança pode se comunicar?


R-  Esta questão também fora abordada por Allan Kardec no Livro dos Médiuns, vejamos:

  35. Como pode o Espírito de uma criança, morta em tenra idade, responder conscientemente, se quando em vida corpórea ainda não tinha consciência de si mesma?

   R- A alma da criança é um Espírito ainda envolto nas faixas da matéria. Mas liberto da matéria goza das suas faculdades de Espírito, porque os Espíritos não têm idade. Isso prova que o Espírito da criança já viveu. Não obstante, até que esteja completamente liberto pode conservar na linguagem alguns traços do caráter da criança.
Observação de Rogério H. Leite: 
   Temos observado que o intercâmbio espiritual com o espírito de uma criança desencarnada ocorre sempre com o auxílio de Benfeitores amigos ou familiares que a antecederam no retorno à Pátria espiritual.
Estes são responsáveis pelo rastreamento do pensamento e das emoções do espírito momentaneamente sobre a condição infantil. São responsáveis também pela decodificação destes pensamentos e pela elaboração do ditado mediúnico transmitido ao médium.
   Sendo assim, a condição de criança, de analfabetismo, e de retardamento mental, está circunscrita ao corpo físico e não ao espírito, já que este teve múltiplas existências.
   Tão logo, o espírito desencarnado se veja liberto das impressões da matéria, goza da amplitude de suas percepções de espírito imortal.